Estereótipos do cientista na literatura e no cinema

d’après Roslynn D. Haynes*

O Alquimista

Personagem maníaco e obsessivo que reaparece de tempos em tempos, apresentado como cientista. É movido por objetivos intelectuais secretos, com inspiração ideologicamente maléfica. Este personagem, atualmente, encarna o biólogo que produz novas (e em geral ilegais) espécies, através do quase mágico processo de engenharia genética.

O Estúpido brilhante

Preocupado com as trivialidades do seu mundo científico privado, este personagem ignora suas responsabilidades sociais. Costuma viver isolado das pessoas e do contato com o mundo real. À primeira vista, parece mais cômico do que sinistro, mas suas ações têm implicações assustadoras. Nos filmes do início do Século XX, é o professor cabeça-de-vento que não dispõe das habilidades necessárias para fazer o que pretende e se torna um verdadeiro fracasso moral.

O Romântico

É a representação do cientista insensível que renegou as relações humanas e suprimiu todas as afeições, pela causa da ciência. Este foi o estereótipo mais duradouro e ainda representa a imagem mais comum do cientista no pensamento popular, recorrendo repetidamente nas novelas (ver a paleontóloga Júlia  no ar na novela das 19 horas da Globo), peças de teatro e filmes do século 20. Em exemplos dos anos 50, essa figura apresenta uma ambivalência adicional: sua deficiência emocional é condenada como inumana, por vezes sinistra, mas em algumas situações esta deficiência é desculpada, com freqüência admirada, significa o preço inevitável que os cientistas têm que pagar para reafirmar seu desinteresse.

O Aventureiro heróico

Este personagem pode ser herói e aventureiro no plano físico ou no intelectual. Acima da humanidade, como super homem, explorando novos territórios ou engajado em novos conceitos, aparece em períodos de otimismo. O apelo particular desse cientista ocorre entre o público adolescente, derivado da promessa implícita de romper fronteiras, sejam elas materiais, sociais ou intelectuais. Essa característica assegurou a popularidade desse estereótipo em comédias e aventuras espaciais. Uma análise mais sutil desses heróis sugere o perigo de seu carisma quando disfarçados de neo-imperialistas viajantes do espaço, eles mostram sua marca de verdadeiros colonizadores do universo.

O cientista sem esperança

Esse personagem perdeu o controle tanto sobre sua descoberta (que como um monstro cresceu mais do que suas expectativas) ou, como sempre acontece em tempo de guerra, sobre o destino da aplicação de sua descoberta. Nas décadas recentes, esta situação vem sendo explorada em relação a uma ampla gama de problemas ambientais, muitos dos quais atribuídos aos cientistas.

O Idealista

Esta figura representa aquele que é aceito sem ambiguidades como cientista, muitas vezes assegurando a possibilidade de uma utopia cientificamente sustentável, com fartura e satisfação para todos, mas frequentemente engajado em conflitos com o sistema tecnológico que não respeita os valores humanos.

 

* From Faust to Strangelove: Representations of the Scientist in Western Literature. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1994.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: