Dois anos de TV Digital no Brasil

dezembro 2, 2009

A transmissão digital do sinal de televisão no Brasil faz dois anos hoje. Minha amiga Jane estava presente na cerimônia de lançamento do sinal digital no Teatro Municipal de São Paulo, em meio a discursos entusiasmados.

De lá pra cá, segundo cálculos do Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD), a população adquiriu mais de 2 milhões de receptores, entre televisores, set-top boxes, celulares e conversores para computador. Muito pouco, para um país que coloca a televisão no espaço mais nobre da vida doméstica e garante audiências fenomenais ao que é oferecido pela telinha.

Mesmo assim, o sinal digital já está implantado em 26 cidades, mais do que previa o cronograma oficial. Alguns países vizinhos, como Argentina, Chile, Peru e Venezuela adotaram a tecnologia nipo-brasileira para suas transmissões digitais e pode ser que o padrão emplaque também no Equador e em Cuba.

Ainda há muita desinformação sobre o que é essa tal de TV digital. Para começo de conversa, não tem nada a ver com a TV paga.  É televisão digital aberta e gratuita. Mas, para ter acesso a ela, as pessoas precisam comprar alguns equipamentos: um conversor, conhecido como set-top box,  ou uma TV com receptor embutido e uma antena UHF. Como tudo isso ainda é muito caro, a expansão não acontece depressa. Vale lembrar que, embora esteja presente em 93% das residências, 80% dos aparelhos de televisão no Brasil são de 14 polegadas.

Mas minha amiga Jane está mesmo interessada no conteúdo que é transmitido pelo sinal digital. Será que mudou muito? Alguém reparou?

As telenovelas, os programas de maior audiência da TV aberta,  têm imagem e som cada vez mais perfeitos. E continuam a recontar mais ou menos as mesmas histórias. Os telejornais estão mais bonitos, com novos cenários e infográficos em três dimensões, mas ainda assim, perdem audiência para os reality shows. E o proselitismo religioso toma conta dos espaços comercializados pelos supostos “donos” das emissoras que, na verdade, são concessões públicas.

Jane gosta de ciência, como todos vocês sabem. Acompanha tudo o que as emissoras abertas exibem em ciência, tecnologia, educação e meio ambiente. Ela pode dizer que hoje tem mais ciência na TV aberta do que no ano passado. Além do novo Globo Universidade,  da Rede Globo, exibido na madrugada de sábado, na sequência do Globo Ciência e Globo Ecologia, a TV Brasil, também inaugurada em 02 de dezembro de 2007, comprou programas internacionais – alguns muito bons como Ciência Nua e Crua – e elevou para oito o número de horas semanais de programação científica à disposição do público. Mas ainda não conseguiu produzir ou comprar um só programa que divulgue a ciência que se faz no Brasil.

Dois anos de televisão digital. Dois anos de TV Brasil. Mais do mesmo em todos os canais.

Anúncios

As meias, os meios e as mídias do Ministro

novembro 22, 2009

Evoé! Evoé! Evoé! clamava José Celso Martinez Corrêa ao saudar, com uma taça de vinho tinto, o início do Seminário Internacional do Fórum da Cultura Digital Brasileira.

Baco e outros deuses e orixás atenderam ao chamado e estiveram conosco nos últimos quatro dias. Circularam pelos galpões da Cinemateca Brasileira. Fizeram fervilhar nossos cérebros. Facilitaram a conexão e iluminaram os contatos, recados, carinhos, pensamentos e ideias que trocamos. Todo mundo junto e remixado. Seres humanos resignificados. Com música. Muita música.

Vídeos, fotos e textos foram disparados rede afora e incluíram milhares de pessoas nas conversas dos auditórios. Geraram terabytes de informações. Um importante acervo multimídia sobre o processo de construção de uma política pública para a cultura digital brasileira nos próximos anos.

O Fórum deixa importantes definições e uma agenda política para o MinC, com tarefas hercúleas como o marco legal da Internet; a discussão da Lei do direito autoral; um plano nacional de banda larga e outro para digitalização de acervos.

No encerramento do “espaço físico do ciberespaço”, como Cláudio Prado nomeou o Fórum, o Ministro da Cultura usou todos os meios disponíveis, mostrou as meias e falou mal da televisão aberta. Também deu o mote para o melhor trocadilho do evento, outro de Cláudio MacLuhan Prado, super tweetado no mundo virtual: “a meia é a mensagem”.

O Ministro, a meia, os meios, a mídia, a massa, a maldita televisão.

O que fica é a memória. Aquilo que é preciso organizar e preservar para as futuras gerações. A prova irrefutável do processo participativo de construção da política que queremos para a cultura digital. Não podemos permitir que se perca na pressa, ou que seja engolida pela pressão eleitoral.


Saudade de Carl Sagan

julho 10, 2008

Um extraterrestrre, recém-chegado à Terra – examinando o que em geral apresentamos às nossas crianças na televisão, no rádio, no cinema, nos jornais, nas revistas, nas histórias em quadrinhos e em muitos livros – poderia facilmente concluir que fazemos questão de lhes ensinar assassinatos, estupros, crueldades, superstições, credulidade e consumismo. Continuamos a seguir esse padrão e, pelas constantes repetições, muitas das crianças acabam aprendendo essas coisas. Que tipo de sociedade não poderíamos criar se, em vez disso, lhes incutíssemos a ciência e um sentimento de esperança?

(Carl Sagan, 1996)